BLOG DE AVENTURAS

Loading...

sábado, 20 de outubro de 2012

DE PATY DO ALFERES A PETRÓPOLIS, DESCUBRA O CAMINHO DO IMPERADOR!!




Bem antigamente, quando os portugueses ainda estavam por aqui e fiscalizavam a descida do ouro das Minas Gerais para o Porto de Paraty, o caminho percorrido por toda essa riqueza não era o atual percurso da Rodovia Washington Luis, a Rio-Petrópolis. Chegava-se ao litoral através da localidade de Paty do Alferes e daí, descendo a Serra do Couto, pegava-se a baixada. O trajeto era difícil de ser transposto pelas comitivas e seus cavalos e muitos acidentes aconteciam com frequência.



Hoje em dia, uma parte desse trajeto, conhecido como Caminho do Imperador, que vai de Paty do Alferes, passa por Miguel Pereira e termina em Petrópolis, se tornou uma estrada turística com muitos atrativos em seu percurso. A RJ-117 se estende por 20 km a partir da localidade de Palmares, em Paty do Alferes e vem sendo percorrida por turistas em automóveis ou até mesmo em caminhadas ecológicas, conhecendo parte do caminho usado por D.Pedro II em suas primeiras viagens do Rio de Janeiro a Petrópolis. A estrada é estreita, e segue em meio a mata virgem da Serra do Couto, onde se descortina visuais lindíssimos como cachoeiras e nascentes de águas cristalinas que formam riachos e quedas d'água que desaguam entre a vegetação. 



No caminho pode-se apreciar uma grande variedade de artesanato e doces típicos da região, todos produzidos por artesãos locais. No passeio você ainda pode tirar fotos da histórica  Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, construída no século XIX; pode conhecer o Museu da Cachaça e  todo o processo de envelhecimento e engarrafamento de uma  aguardente; pode visitar a Fazenda Garibu, uma das mais antigas da região e provar a Cachaça Gabi, produzida com melado, cravo e canela (muito gostosa!). Isso não é bom demais?



A história de Paty do Alferes se entrelaça com a de Garcia Rodrigues Paes, filho de Fernão Dias Paes que você conhece das aulas de história das entradas e bandeiras, lembra? Ele era conhecido como o Caçador de Esmeraldas, isso lá pelo ano de 1700, data que foi aberto o Caminho Novo da Estrada Real para o escoamento do ouro de Minas Gerais ao Rio de Janeiro. Quando Frei Antonil, percorrendo o caminho, descreveu sua viagem no livro "Cultura e Opulência do Brasil", datado de 1711, citou a sesmaria de Pau Grande (atual Distrito de Avelar) como já sendo uma roça que principiava, desbravada em plena selva.



Grandes historiadores divergem quanto a origem do nome de Paty de Alferes porém, os registros históricos nos apontam para alguns caminhos e o certo é que por essas terras se estabeleceram, no início da colonização, dois Alferes de Ordenança: Leonardo e Francisco, no local que era conhecido como a "Roça do Alferes" e que foi da união do nome do posto militar de Alferes ao vocábulo indígena dado a uma palmeira abundante na região, os patis, que começou a se delinear, às margens do Caminho Novo, Paty do Alferes. 

Foi em Paty que se desenrolou um dos mais importantes levantes de negros do Estado do Rio de Janeiro. A fuga em massa da Fazenda Freguesia, causou pânico entre os fazendeiros, não propriamente pelo número de escravos rebelados, e sim, pelo que isso representava. Numa região prioritariamente agrícola, alimentada pela mão-de-obra escrava, Manoel Congo, entrou para história como líder, que em 1838, fez tremer os sólidos alicerces do regime escravocrata fluminense nas terras do café. A Fazenda Freguesia, voltaria a cena, em 1965, pelas mãos do Embaixador Paschoal Carlos Magno. Com o novo nome de Aldeia Arcozelo foi criada aliada a arquitetura original da sede da fazenda com adaptações de outros prédios para a formação do maior núcleo cultural da América do Sul.

Paty do Alferes mantém também uma grande produção agrícola, como a tomate por exemplo, de onde vem seu título de maior produtor do Estado do Rio e terceiro maior do Brasil. A consagração desta produção rural ocorre, anualmente no feriado de Corpus Christi, com a realização da tradicional Festa do Tomate onde por lá passam mais de quarenta mil pessoas para assistir shows dos mais importantes artistas do Brasil na atualidade..

Quem gosta de natureza e história não deve deixar de conhecer esse caminho do interior do Estado do Rio.

Bom passeio !


Divulgação :  AVENTURAS DO RIO ***



Nenhum comentário: